Museu da língua portuguesa – Estação luz

29 05 2010

Vai uma aula de literatura Portuguesa?

Localizado no prédio centenário da estação luz em São Paulo, cidade com o maior número de pessoas que falam português no mundo. O prédio com arquitetura inglesa, passou por várias modificações e reformas até ficar como está no dia de hoje, tudo isso para se adaptar as instalações do museu, inaugurado em março de 2006.

Fui visitar o Museu algumas semanas atrás e confesso que fiquei apaixonado por ele. Parece que você entra em um mundo diferente, com muita cultura um Brasil diferente e rico na sua língua, com muitas varidedades em seu acervo, senti que lá tem a verdadeira história do nosso país.

Um exemplo que me chamou atenção pela sua grandeza o que mostra um Brasil bem diversificado, foi o mapa-dos-falares, no segundo andar do prédio, onde você pode através de um mapa, clicar em uma localização e ver ou ouvir os diferentes “falares” do brasileiro.

Percebi que a interatividade está presente támbem, como a “Praça da língua” um tipo de “Planetário da língua”, com imagens projetadas e áudio.

HORÁRIOS:
Bilheteria: de terça a domingo, das 10h às 17h.
Museu: de terça a domingo, das 10h às 18h.
Não abre às segundas-feiras.

INGRESSOS:
R$ 6,00
Estudantes com carteirinha pagam meia-entrada.
Professores da rede pública com holerite e RG, crianças até 10 anos e adultos a partir de 60 anos não pagam ingresso.
Não há venda antecipada de ingresso.
Aos sábados, a visitação ao museu é gratuita.

Confira a programação do Museu.Aqui.

Saiba onde encontrar cultura de qualidade em Sampa, acesse





Arte futurista no meio de transporte

27 05 2010

Por Magdalena Bertola

Desde o dia 17 de abril desse ano, seis estações do metrô paulistano abrigam obras de arte. Mas não são obras de arte comuns, são obras de arte tecnológica, ou hi-tech, como muitos dizem. Tratam-se de atrações luminosas e interativas, na qual os usuários podem tocar e produzir sons e sensações a partir das obras, que fazem parte do acervo da Fundação Itaú Cultural.
As obras, desenvolvidas por artistas brasileiros e estrangeiros, estão disponíveis dentro das estações República, Brás e Corinthians-Itaquera, da linha vermelha, e Sé (linha vermelha e azul), Paraíso e Tiradentes, da linha azul.
Na estação República, em uma caixa de três paredes, com diversas linhas verticais luminosas, o usuário poderá ser o compositor de uma ópera, sim! Graças a instalação do OP_ERA, Sonic Dimensios, de Rejane Canroni e Daniela Kutschat, os usuários poderão ver as fileiras luminosas que produzem sons reagirem ao som da voz. Já na estação Brás, os usuários poderão ter um pouco de vertigem ao utilizarem a obra Descendo a Escada, de Regina Silveira, que dá aos visitantes a oportunidade de descer uma escada virtual.
Na estação Tiradentes, os usuários vão se deliciar em uma cachoeira de algarismos, criada por Raquel Kogan. Essa obra, entitulada Reflexão #3, é um espaço fechado e reservado, escuro propositalmente, para que as imagens possam ser projetadas nas paredes do local, e a entrada de poucas pessoas é recomendada para se aproveitar melhor.
Uma chuva de letras cai sobre a Corinthians-Itaquera. Trata-se da obra Text Rain, de Camille Utterback e Romy Achituv, onde as pessoas podem formar palavras com as letras que se acumulam na projeção de seus próprios corpos. Após a chuva, claro, surge o jardim, mas nesse caso, é na estação Paraíso, onde num jardim virtual com sementes e flores, o usuário pode interagir com as plantas, assoprando os dentes-de-leão e movimentando o conjunto.
Mas, é bom correr para aproveitar essas atrações cibernéticas engraçada e incríveis, pois a exposição só vai até o final desse mês!
Vale a pena!





Enquanto não chega o próximo trem…

25 05 2010



Por Stefanie Duarte

Enquanto a bola não começa a rolar nos campos da África do Sul, a população da cidade de São Paulo poderá ter um gostinho da Copa do Mundo na exposição itinerante “História do Futebol Brasileiro”, que contará com a participação da Samsung.

Até o final do mês de julho, algumas estações de metrô da cidade receberão a exposição, um projeto da Bellini Cultural que visa resgatar toda a história do esporte mais amado do País e destacar os craques que fizeram parte da trajetória vitoriosa do futebol brasileiro.

Como participante, a Samsung irá fornecer os equipamentos e telas de LCD e LED para a transmissão de imagens das Copas do Mundo e de momentos marcantes no futebol. A mostra passará pelas estações da Luz, Vila Madalena, Tatuapé, Paraíso e República.

A impressão que se tem ao entrar no metrô é de que alguém parou o carro e ligou o som lá fora, para quem não sabe que a mostra está acontecendo. Mas é só chegar mais perto para conferir boas histórias e vídeos interessantes. Para quem foge de passar um tempinho a mais no Metrô, é uma boa opção enquanto espera pelo próximo trem, principalmente naquele santo horário, das 18 horas.

Confira a programação:

Estação Luz – de 20.04 a 10.05;

Vila Madalena – de 09.05 a 27.05

Tatuapé – de 30.05 a 17.06;

Paraíso – de 20.06 a 08.07;

República – de 11.07 a 31.07.

Das 06h30h às 22h30





E aí, vamos na Virada Cultural?

14 05 2010

Entre sábado (15) e domingo (16) vai acontecer a Virada Cultural Paulista 2010. São 24 horas de shows, peças de teatro, cinema… Uma programação completa no centro da cidade. Promovida pelo Governo do Estado deste 2007, a Virada atrai o mais variado público.

A estudante de artes cênicas Mayara Martins foi o ano passado e garante que não vai perder este ano. “É muito bem organizado, reúne pessoas de vários lugares interessados em uma única coisa: diversão. Vale a pena conhecer. Muitas pessoas acham que por ser no centro da cidade, existe perigo, mas os locais são tranqüilos e seguros. E a programação desde ano é muito boa”.

Para você que está querendo curtir a virada, a SPTrans criou uma linha especial que fará todo o circuito que tem programação. A Linha Virada Cultural estará disponível a partir das 17h, do sábado, até às 20h do domingo e circulará pela região dos palcos, cinemas, pistas e muito mais. Serão veículos acessíveis, para facilitar o embarque e desembarque de pessoas com mobilidade reduzida.

Aqui são algumas das atrações que você vai encontrar:

Zélia Duncan
Living Colour (EUA)
ABBA (Suécia/Inglaterra) – the Show
Jair Rodrigues
Leandro Sapucay
Titãs
Planta e Raiz
Cidade Negra & Ras Bernardo

Mas para saber a programação completa, clique aqui!





Afinal, Quem é Andy Warhol?

13 05 2010

Em vários post anteriores falamos do Andy Warhol. Mas afinal quem é ele? Sabemos que ele é o pai da pop art e agora você vai ficar sabendo um pouco mais…

Ele nasceu em 1928 em Pittsburgh, Pensilvânia, Estados Unidos. Andrew Warhola ou Andy Warhol estudou design, trabalhou em revistas renomadas como a Vogue, Harper’s Bazaar e The New Yorker, além de anúncios publicitários e displays para vitrines de lojas. Com os trabalhos ganhou vários prêmios (no Art Director’s Club e no The American Institute of Graphic Arts).

Seu trabalho começou a ganhar visibilidade no final da década de 50, quando expôs latas de sopa Campbell pintadas à mão e uma galeria em Los Angeles. (No post O que é Pop Art? você pode saber um pouco mais dessa obra)

Lada de sopa Campbell pintada pelo artista

Em 62 ele começou a trabalhar definitivamente com serigrafia e outros meios de reprodução mecânica, que começou a eliminar traços entre fotografia e pintura das obras.





Obama e Robin Hood. Nova dupla?

12 05 2010

Oláá!

Ainda segue o papo sobre o artista Andy Warhol. Eu estava vendo algumas notícias e vi essa foto:

Bom, eu não sei se vocês sabiam, mas essa imagem foi feita por um artista chamado Shepard Fairey. Na época ele era quase um anônimo que usava em seus trabalhos a mesma técnica que o pai da pop art e, que por livre e espontânea vontade resolveu fazer a imagem do então cantidato Obama, que em minutos virou febre em toda a campanha.

O pôster é feito nas cores vermelha, azul e branca (as mesmas da bandeira dos EUA) é comparado ao semblante daquela imortal imagem do Che Guevara.

É claro que eu nem preciso contar que a vida desse artista deu uma reviravolta. Ele abriu a agência de design Studio Number One, criou a grife de roupas Obey, a revista de cultura pop Swindle e a galeria de arte Subliminal Projects.

Ele faz trabalhos para capas de CDs, cartazes de filmes, livros… Além de publicidades para a rede de supermercado Wall-Mart, Seven Up e Volswzgen.

Um sucesso tão imediato quanto esse gerou algumas discussões e acusações, como a dele ter renegado às suas origens se entregando ao mundo capitalista e ao responder, “diz ser um Robin Hood da arte, que usa o mercado para continuar divulgando suas mensagens subversivas: fazer parte do mundo da arte comercial e compreendê-la é, de certa maneira, como uma infiltração. Porque sempre senti que grande parte do meu trabalho era uma reação à propaganda e uma forma de compreender como a propaganda funciona. Arte e comércio necessitam um do outro”.





O que é Pop Art?

8 05 2010

Por Magdalena Bertola

Aproveitando a exposição sobre o grande Andy Warhol, que acontece aqui em São Paulo desde o dia 20 de abril, na Pinacoteca, trago aqui uma pequena descrição do que é a Pop Art.

O que é pop art?

Tom Wesselmann

A pop art pode ser facilmente descrita como um  movimento que se utilizava de figuras populares como  tema.
A pop art surgiu na Inglaterra, apesar de ter sido  realmente desenvolvida na Nova York do final dos anos  50, inicio dos anos 60. A denominação foi usada  primeiramente por Lawrence Alloway para designar os produtos da cultura popular ocidental, ou a própria cultura de massa, proveniente, sobretudo, dos Estados Unidos.

Tomando forma no final da década de 1950, com influências dadaístas de Marcel Duchamp, a pop art foi tida como uma rebelião aos estilos convencionais, abordando os temas cotidianos e a cultura popular, mas, sobretudo criticando esse estilo de vida consumista, os componentes ostensivos da cultura de massa, e da crescente e poderosa influência na vida cotidiana, cada vez mais forte após a Segunda Guerra. Os artistas a pop art começaram a se interessar e a estudar produtos, marcas e símbolos da propaganda americana, transformando-os em parte de suas obras, que muitas vezes continham tinta acrílica, poliéster, látex e outros materiais não tão convencionais em uma pintura, assim como cenas repetidas e cores extremamente vibrantes, trazendo a tona uma arte figurativa que se opunha ao expressionismo abstrato da cena estética dominante desde a guerra.
A televisão, o cinema, as celebridades, quadrinhos e marcas publicitárias são utilizados pela pop art para fazer essa crítica à sociedade pelo seu próprio consumo, transformando o real em fantástico, ou “hiper-real”.
Apesar desse aparente asco pelo consumismo, a pop art foi criada e era (ainda é) apoiada e sustentada pelos objetos de consumo e, muitas vezes fazia com que um produto passasse a vender mais –

Sopas Campbells

como as sopas Campbell, utilizadas em quadros de Andy Warhol – ou se tornasse um desejo para as pessoas, além de que muito do que era “brega”, acabou se tornando chique, proporcionando a transformação do que era tido como vulgar, em refinado, bonito, necessário, aproximando as pessoas comuns da arte, desmistificando-a, já que se utilizava de objetos próprios das massas.

Os nomes mais famosos da pop art são, claro, Andy Warhol, Roy Lichtenstein, Claes Oldenburg, James Rosenquist e Tom Wesselmann.